Amanhã, onde vamos?
Quem somos?

Quem somos?

Então, quem são Eles?

Se tiver muita vontade de perceber o que originou o nascimento do blog “Amanhã, onde vamos?” leia o texto que se segue. É uma história um pouco longa. Se optar por ler esta história irá perder alguns minutos do seu precioso tempo, mas talvez valha a pena.

O ano de 2016 não foi o ano mais espetacular das suas vidas. Ele foi obrigado a viver grande parte desse ano no IPO (Instituto Português de Oncologia) do Porto. Foram meses muito duros. De luta. De sofrimento. De transformações no corpo (por dentro e por fora). No entanto, a leucemia e o doloroso processo de cura, para além dos efeitos (menos interessantes) que traz ao corpo tem o poder de fazer um bem tremendo à alma. Basta que no meio do caos haja abertura a essa mudança interior que pode ser poderosíssima e de extrema importância para o futuro. Ele teve (e continua a ter) uma força enorme, aguentou todas as dores da melhor forma possível e teve (e continuará a ter) durante vários meses à sua volta uma equipa de profissionais de excelência que permitiram que a leucemia não ganhasse.

Ele passou a ver a vida de outra forma, passou a valorizar as coisas mais simples do dia a dia como por exemplo sentir o vento de cada vez que saía de um internamento. Ela passou muitos dias no IPO fazendo-lhe companhia. Ela não tinha como aliviar a dor física que ele sentia. Podia fazer apenas uma coisa, fazê-lo agarrar-se à vida. E para uma pessoa se agarrar à vida, o Sonho é fundamental. Então durante este tempo de estadia no IPO (ou em casa, porém, frágil) ela mostrava-lhe fotos de sítios onde queria ir com ele. Mesmo quando ele estava fortemente debilitado e mal conseguia caminhar, ela fazia-o ter vontade de percorrer os Passadiços do Paiva (um dos locais favoritos dela) assim que fosse possível. Ela e a leucemia, foram fundamentais para que ele passasse a apreciar a Natureza (e Natureza é Vida) de outra forma. O caminho da cura continua… tão cedo não terminará. Mas uma coisa é certa, ele já foi aos Passadiços do Paiva e ela terminou a caminhada bem mais cansada do que ele!

Mas então porque decidiram criar o “Amanhã, onde vamos?” ?

Ela é viciada na Natureza, completamente dependente. Quem a conhece minimamente bem sabe desta sua dependência. Dependência que cresce de dia para dia. É também fascinada pela beleza de Portugal e consegue ficar horas a fio a ler textos e ver fotos de aldeias, praias fluviais, castelos, serras, percursos pedestres… Ele, desde que convive com ela, tornou-se também um viciado. Não se vislumbra a cura desta dependência, atualmente dos dois. Também é certo que nenhum deles está interessado numa possível cura. O único interesse que têm é ver esta dependência, outrora de um, agora dos dois, crescer ainda mais. E estão de facto cada vez mais viciados. Estão, por isso, no caminho certo.

Ela começou a sentir que passear, tirar fotos e selecionar algumas para publicar no seu Facebook pessoal não era suficiente. Ela sentia que precisava de escrever acerca destes passeios que faziam juntos. Sentia que esta paixão que tem pelos recantos e encantos de Portugal desde pequena tinha de ser mostrada a mais pessoas e de outra forma. De uma forma ligeiramente mais séria, mais cuidada, mais “profissional” e mais profunda.

Então, um dia ela perguntou-lhe “E se criássemos um blog onde pudéssemos mostrar os sítios lindos que visitamos?” Ele alinhou. Ele estava tramado. Ela não se calou mais até ver o blog nascer. Sempre que podem passear, no dia anterior ele pergunta “Amanhã, onde vamos?”. Ela sugere sítios, ambos decidem o destino, ambos tiram fotografias, ela escreve os artigos para o blog, ele edita as fotografias e trata dos assuntos ligados à informática.

Pensaram em dezenas de nomes para o blog. Escreveram esses nomes todos numa folha. Nenhum os encantava profundamente. A escolha do nome era tão simples. Era tão óbvia. E durante dias e dias  andaram de volta da escolha do possível nome. Durante vários meses ele não pôde perguntar “Amanhã, onde vamos?”. Não podia porque ou estava internado no IPO (em isolamento muitas das vezes), ou estava em casa mas mal podia andar, ou até conseguia andar mas estava demasiado frio lá fora, ou então demasiado calor e portanto ir passear não era de todo possível. O risco era elevado. Neste momento, após tantos meses de restrições a vários níveis, ele pode perguntar-lhe “Amanhã, onde vamos?”. Esta é a sua pergunta favorita. Esta pergunta fá-lo sentir livre, vivo. Para quem teve ou tem cancro e em consequência disso viu a sua vida sofrer tantas restrições, perguntar a alguém “Amanhã, onde vamos?” tem uma importância que quem não passou por esta experiência poderá não compreender. E é por isto, que por muitas voltas que eles dessem à cabeça para escolher um nome, o único nome que faria sentido era este “Amanhã, onde vamos?”.

Ambos pretendem dar a conhecer os locais que visitam através de textos e fotografias. Aqui só encontrarão pedaços de Portugal. É um blog dedicado exclusivamente aos encantos do nosso país. Ambos sentem que se conseguirem inspirar alguém a explorar (mais) Portugal a criação deste blog já valeu a pena. Aqui dentro estão muitos quilómetros percorridos, de carro e a pé. Estão algumas dores de pernas e de pés. O que está aqui dentro é fruto de muitas horas de trabalho (e ainda agora começou) para que este blog tenha alguma qualidade. Acima de tudo, aqui dentro está o realizar de um Sonho. Eles são uns aprendizes. Seguem diversos blogs de viagens e procuram todos os dias aprender um pouco mais com quem percebe de facto do assunto.

A todos que os quiserem acompanhar eles pedem o seguinte: façam “gosto” na página de Facebook, leiam os artigos que estão no blog e contemplem as fotografias. Basicamente, eles gostariam que vocês os ajudassem a fazer crescer este sonho. Ambos agradecem!

Sejam bem-vindos!

Dani&Dani

Back to Top